As Mulheres Podem Praticar Esgrima Competitiva?

As mulheres podem, devem (é um desporto saudável) e praticam esgrima competitiva! Se praticar esgrima e tiver dúvidas, faça um desafio para um duelo com alguém que pratique esgrima competitiva, independentemente do sexo: ela deverá ter uma proteção especial para os seios e o homem precisará de uma coquilha. E depois que vença o melhor!

A esgrima, apesar de introduzida nos Jogos Olímpicos da era moderna, em 1896, sendo uma das primeiras modalidades presentes, era na verdade reservada apenas a homens. Esta situação foi sendo lentamente ultrapassada, dadas as limitações impostas, que perduraram até há relativamente pouco tempo (Jogos Olímpicos de Pequim de 2008) e que demoraram mais de um século até chegarmos à atual igualdade, como modalidade para homens e mulheres. Inicialmente, e durante bastante tempo, uma esgrimista podia participar nos Jogos Olímpicos apenas com o florete. A primeira participação possível foi em Paris, em 1924, e até Barcelona, em 1992, nenhuma outra arma foi utilizada por alguém do género feminino. A espada apenas foi aceite em Atlanta, no ano de 1996. Só em Atenas (2004) o sabre foi empunhado por participantes femininas.

Falamos em presenças individuais, pois a presença feminina em equipa ainda tardou. O florete apenas foi permitido em Roma, em 1960, a espada em 1996 (tal como a participação individual), e no sabre as equipas femininas só participaram no Pequim 2008.

Cada vez há maWomen fencingis mulheres a iniciarem esta modalidade desportiva, seja para melhorar a sua condição física, seja para elevar a autoestima, como em qualquer atividade desportiva. Consideramos que os homens procuram o mesmo, seja qual for a atividade desportiva escolhida. O interesse pela esgrima é intenso em variados países e o sexo do praticante não será o fator relevante.

Sim, a pergunta do tópico é um pouco provocatória. Mas é assim que conseguiremos abordar alguns preconceitos e até ajudar a ultrapassar qualquer ideia de impossibilidade que ainda hoje possa existir sobre o sexo do praticante de esgrima competitiva.